A decisão sobre a redução da vazão mínima da Bacia do Rio São Francisco foi adiada para próxima segunda-feira (24) depois que uma reunião sobre o assunto terminou sem acordo hoje (17), na Agência Nacional de Águas (ANA).

A redução da defluência mínima foi solicitada pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) por causa da queda na geração de energia. Atualmente, o patamar mínimo autorizado nos reservatórios de Sobradinho, na Bahia, e Xingó, em Alagoas/Sergipe, é de 800 metros cúbicos por segundo (m³/s).

Segundo resolução da ANA, o patamar atual pode ser revisto para até o limite de 700m³/s, a partir da análise de autorização especial do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), e de Nota Técnica da Agência.

O documento do instituto autoriza a Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf) a reduzir a vazão mínima defluente para 750m³/s numa primeira fase de redução e para 700m³/s mediante a análise dos impactos da redução pelo Ibama.

A medida, entretanto, prevê condicionantes que foram questionadas pela Chesf.

A empresa de energia relacionou quatro estudos que atestam não ser de sua responsabilidade assumir os custos sobre lagoas marginais; sobre a área socioeconômica; sobre monitoramento da fauna; e sobre monitoramento da água subterrânea.

Segundo o Ibama, o item relativo às atividades socioeconômicas já foi retirado da lista de condicionantes e o mapeamento das lagoas marginais foi alterado. A próxima reunião deve solucionar o impasse entre as partes.

Estiagem

Com chuvas abaixo da média, a Bacia do rio São Francisco enfrenta condições hidrológicas adversas e com isso, os níveis de armazenamento dos reservatórios têm sido reduzidos. De acordo com ANA, esta situação tem levado a ações de flexibilização das vazões mínimas defluentes dos reservatórios.

A redução temporária da vazão mínima leva em consideração a importância das usinas de Sobradinho, Itaparica, Apolônio Sales, Complexo de Paulo Afonso e Xingó para a produção de energia do Sistema Nordeste e para o atendimento dos usos múltiplos da água na bacia.

O vice-presidente do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco (CBHSF), Maciel Oliveira, ressaltou que a redução deve ser acompanhada de estudos de impactos na região.

?Precisamos saber qual a real dimensão do que está sendo prejudicado com a redução da vazão para podermos tomar decisões futuras. Além disso, é muito importante que as decisões e condicionantes sejam cumpridas pelo setor elétrico?, disse. ?Infelizmente, estamos sofrendo com a estiagem, a seca mais severa dos últimos anos.?

Tópicos: Bahia, Água

Fonte: Epoca

17/10/2016 21:48

[176]

 

 


 

Embraer prevê em 2019 entregar de 85 a 95 jatos comerciais a executivos

As receitas devem ficar entre US$ 5,3 bilhões e US$ 5,7 bilhões, enquanto estima atingir margem Ebit consolidada de aproximadamente zero em 2019

As 30 PMES mais amadas pelos funcionários (a campeã está recrutando)

Confira o único ranking espontâneo de satisfação profissionais do Brasil com as pequenas e médias empresas mais felizes

Cantora Alicia Keys apresentará cerimônia do Grammy

Keys substituirá James Corden, o popular comediante britânico que apresentou a premiação nos dois últimos anos

Ver todas as noticias

 

ID Works Intro
ID Works Intro
P/N: IDWI65 

por apenas: R$ 1.980,00

     
RIBBON COLORIDO COM PAINEL UV E OVERLAY PARA SMART CH
RIBBON COLORIDO COM PAINEL UV E OVERLAY PARA SMART CH
P/N: 650721 

por apenas: R$ 462,00

     
Impressora Evolis Dualys 3 [DESCONTINUADA]
Impressora Evolis Dualys 3 [DESCONTINUADA]
P/N: EVL0001 

por apenas: sob consulta